quinta-feira, dezembro 28, 2017

Há hipnose na missa? e os dons carismáticos?

0 comentários

Mario Umetsu, hipnoterapeuta e pesquisador de parapsicologia, faz uma demonstração interessantíssima no vídeo abaixo. "Repouso no Espírito?". Assista:



quarta-feira, dezembro 27, 2017

Comentários Eleison: Narrativa de Natal

0 comentários

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DXLV (545) (23 de dezembro de 2017)

NARRATIVA DE NATAL


O modo como Deus desceu aos homens faz com que nos maravilhemos.
Elevai-nos ao Céu, ó Deus, para que seus louvores entoemos!

O seguinte momento culminante de uma narrativa decerto apropriada para a época de Natal é colocado na boca da Mãe de Deus quando ela entra novamente na gruta sagrada em Belém para descrever aos amigos que a acompanham o nascimento humano de Deus, no lugar mesmo onde aconteceu. A pessoa que escreve é corajosa, e procura descrever a cena como sendo narrada pela Mãe. Nem todos os leitores destes "Comentários" concordarão que essa tentativa tenha sido bem sucedida. Não importa. Outros leitores poderão deleitar-se com a cena, que realmente aconteceu, e deve ter acontecido de maneira parecida; e para esses leitores apresentamo-la aqui:

"Maria põe-se de pé novamente e entra na gruta: "Tudo está como estava então... Só que na ocasião era noite... José acendeu uma luz quando entrei. Então, e só então ao descer do burro percebi o quão cansada e com frio estava. Um boi recebeu-nos. Eu aproximei-me dele para sentir um pouco de calor, para descansar sobre o feno... onde estou agora, José estendeu o feno para fazer-me uma cama, e ele a secou para nós dois, Jesus e eu, na pequena fogueira feita naquele canto... porque meu esposo angélico tinha por nós o amor de um verdadeiro pai... e ele e eu, segurando-nos um ao outro pelas mãos, como dois irmãos perdidos no escuro da noite, comemos nosso pão e queijo, e então ele foi lá alimentar o fogo, tirando antes seu manto para bloquear a entrada da caverna... Na verdade ele estava velando pela glória de Deus que estava por descer do Céu. Com Jesus, permaneci no feno entre o calor de dois animais, envolta no meu manto e com a manta de lã. Meu amado esposo!... Naquele momento de ânsia para mim, em que enfrentava só o mistério de dar à luz pela primeira vez, algo sempre uma vez desconhecido para qualquer mulher, mas ampliado para mim em razão da singularidade da minha maternidade, e ainda mais pela perspectiva de ver o Filho de Deus emergir da carne mortal, ele, José, foi como uma mãe para mim, como um anjo... meu consolo... ali e sempre...

"E então o silêncio e o sono vieram envolver o Homem Justo... para que ele não visse o que era para mim o abraço diário de Deus... E começaram para mim as ondas ilimitadas de êxtase, rolando de um mar paradisíaco, elevando-me novamente às cristas luminosas, cada vez mais alto, levando-me com elas para cima, mais ainda, num oceano de luz, de mais luz, paz e amor, até encontrar-me perdida no mar de Deus, do seio de Deus... Ouvi ainda uma voz vinda da terra; "Estás dormindo, Maria?" Oh, quão longe! ... Um eco simples, chamando da terra!... tão fraco que quase não toca a alma. Eu não tenho ideia de qual resposta eu lhe dou enquanto subo, e ainda estou subindo nessa imensidade de fogo, de beatitude infinita, da presciência de Deus... até Deus, o próprio Deus... Oh, foi Jesus que nasceu de mim, ou fui eu que nasci dos esplendores da Santíssima Trindade naquela noite? Eu que dei à luz Jesus, ou foi Jesus que me aspirou para a luz? Eu não faço ideia...

"E então a descida, de Coro de anjos em Coro de anjos, de camada de astros em camada de astros; uma descida tão suave e lenta, bem-aventurada e pacífica, como a de uma flor sendo carregada no alto por uma águia que depois a deixa cair, descendo lentamente nas asas do ar, embelezada por uma gema de chuva, por um fragmento de arco-íris arrebatado do céu, e que aterrissa em seu solo nativo... E minha coroa de joias: Jesus, Jesus sobre meu coração...

"Sentada aqui, depois de adorá-Lo de joelhos, eu O amava. Por fim, pude amá-Lo sem as barreiras da carne entre nós, e daqui eu me levantei para levar-lhe ao amor do Justo, que merecia como eu estar entre os primeiros a amá-Lo. E aqui, entre estes dois pilares rústicos, ofereci-O ao Pai. E aqui Ele descansou pela primeira vez sobre o coração de José... Eu balancei-O enquanto José secava o feno ao fogo e mantinha-o quente para colocá-lo no berço do bebê; e depois, ali, adoramo-Lo, curvados diante d’Ele, assim como me curvo agora, bebendo Sua respiração, contemplando até que ponto o amor de Deus pode descer para amar os homens, chorando as lágrimas que são certamente choradas no Céu pelo gozo inesgotável de ver a Deus ".


Kyrie eleison.

terça-feira, dezembro 26, 2017

Foco na vida de oração

0 comentários


Está com dificuldade para rezar o Rosário ou o Terço? Não consegue meditar, nem fazer suas orações direito? Independentemente de ser aridez espiritual, pense se o foco de sua vida tem sido colocado em outras coisas. 

Passar muito tempo nas redes sociais, sites de notícias, programas televisivos, é coisa comum hoje em dia. A mente fica repleta de dados e informações, chega até mesmo a cansar, e rezar bem que é bom, nada.

Foco. Tenha foco. Nem que seja preciso anotar na agenda que você precisa rezar o Terço ou o Rosário. Faça isso, ponha na agenda, crie o hábito de anotar as coisas. fazer listas. Assim você desentulha a mente, fica mais organizado e tem menos chances de deixar de rezar.

Não acumule devoções. É melhor rezar pouco por dia e rezar bem, do que fazer várias orações sem atenção, de forma descuidada.

Vida de oração é necessidade. Vida de rede social, não. Pense nisso.


segunda-feira, dezembro 25, 2017

Feliz Natal!

0 comentários


Caríssimos leitores, desejo a todos vocês e aos seus entre queridos um Santo e Feliz, muito feliz, Natal!

Sejamos amigos do Menino Jesus, fiquemos sob a proteção de Sua Mãe Santíssima! É o que desejo do fundo do meu coração!

Nasceu Jesus! Feliz Natal!

quinta-feira, dezembro 21, 2017

Ricos e pobres: diferenças além do dinheiro

0 comentários
Brasileiro passa tempo demais vendo TV

É muito comum no Brasil ouvirmos reclamações sobre a desigualdade social, sobre quantos ricos e quantos pobres há, sobre como são poucos os ricos e muitos os pobres. Mas já parou para pensar nos hábitos dos ricos e dos pobres? O que será que os diferencia? 

Vejamos um trecho de um artigo do Clube dos Poupadores (não endosso todo o artigo):

O que nos falta é força de vontade para superar a força interna e externa que nos impede de crescer. 

As pessoas costumam ficar perplexas quando se deparam com notícias de pesquisas revelando que os 10% mais ricos do Brasil ficam com 55% de todas as riquezas geradas pelo país durante o ano e que 1% dos mais ricos do mundo ficam com mais de 20% (fonte). 

Thomas Corley, autor do livro “Rich Habits: The Daily Success Habits Of Wealthy Individuals” estudou os hábitos das pessoas mais ricas para apresentar números surpreendentes (fonte). Quase 70% dos mais ricos assistem menos de 1 hora de TV por dia. Entre os pobres, a taxa cai para 23%. Apenas 6% dos ricos assistem reality shows, em comparação a 78% dos mais pobres. “As pessoas ricas não assistem TV porque conseguem ser disciplinados o bastante para utilizar este tempo para fazer algo mais produtivo”, comenta Thomas Corley.

  • 86% dos mais ricos declaram gostar de ler contra 26% das pessoas de baixa renda. Os mais ricos preferem livros que os ajudem a desenvolver ainda mais suas habilidades. Não por acaso, 88% dos ricos leem livros de desenvolvimento profissional ao menos 30 minutos por dia. Apenas 2% dos mais pobres cultivam este hábito.
  • Ouvir audiolivros durante o trajeto para o trabalho faz parte da rotina de 63% dos ricos e apenas de 5% dos pobres. É um hábito que eu mesmo venho aplicando na minha vida através dessa ferramenta aqui que possui um aplicativo. 
  • Mais de 80% dos ricos disseram que vão além de seu escopo de trabalho. A porcentagem cai para 17% entre os de baixa renda. Isso mostra porque as pessoas ricas trabalham mais que as demais: 86% trabalham cerca de 50 horas por semana.
  • Apenas 6% dos mais ricos dizem que jogam ou jogavam regularmente na loteria, contra 77% dos pobres.



Leia texto completo em: 

terça-feira, dezembro 19, 2017

A superstição do espiritismo é o castigo da incredulidade

0 comentários
Por Spem in Alium by Theophilus



“A raiz do espiritismo é a condição moral doentia de nossa época. Insatisfeitos com o vazio do materialismo, e por demais dominados pelo orgulho intelectual para se submeterem à lei de Cristo, os homens procuram um outro mundo capaz de provas exemplares... Do ponto de vista do católico convicto, estes esforços por um conhecimento superior têm em si algo que é ao mesmo tempo lamentável e abjeto. Que os homens confiem questões de tal importância ao trabalho de uma imaginação desordenada e frequentemente doentia; que construam um sistema sobre fenômenos que fogem ao exame racional; que apostem suas esperanças de tempo e eternidade em manifestações que tanto têm em comum com as prestidigitações dos mágicos, e ao mesmo tempo fechem os olhos às provas de vida e poder sobrenaturais que o Cristianismo vivo lhes oferece, é um triste exemplo desta fátua superstição que é amiúde o castigo da incredulidade.” 
(J. Godfrey Raupert, The Supreme Problem)

segunda-feira, dezembro 18, 2017

Comentarios Eleison: A Importância da Cultura – I

0 comentários
Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DXLIV (544) (16 de dezembro de 2017)


A IMPORTÂNCIA DA CULTURA  –  I


A cultura está morta quando Deus está “morto”.
A única esperança dela reside em Seu “renascimento”.

“Quando eu ouço a palavra ‘cultura’, vou buscar minha arma”, é uma famosa citação (muitas vezes atribuída a Reichsmarchall Göring, mas que vem na verdade de uma peça apresentada em Berlim no ano de 1933) que pode ser interpretada no sentido de que a cultura não é a fonte última dos valores que frequentemente se lhe atribuem. A palavra serve muitas vezes como uma folha de figueira que cubra a profunda apostasia do Ocidente com uma hipocrisia vergonhosa, mas de longa data, que pode tentar instintivamente alguns portadores de armas a dar-lhe fim violentamente. Um americano de nosso próprio tempo que percebe que a cultura depende da religião ou de sua ausência é Ron Austin, quem escreveu na edição de dezembro da Revista First Things um artigo sobre a cultura pop, argumentando que esta não é pop nem cultura.

Austin é um escritor e produtor veterano de Hollywood que passou quase meio século produzindo cultura pop, principalmente para a televisão. Ele é membro da Academia Americana de Artes e Ciências Cinematográficas, mas também membro da Escola Dominicana de Filosofia e Teologia em Berkeley, Califórnia, o que lhe dá pelo menos uma ideia da verdadeira dimensão da “cultura”. Por exemplo, no início de seu artigo, ele escreve: A chave para a compreensão da modernidade e de seu fracasso reside nos muitos esforços em vão para encontrar substitutos para a fé religiosa... Foi a mídia de massa que promoveu uma “cultura pop” que era a mais influente e poderosa substituta para uma visão de mundo significativa... A cultura pop, diz Austin, é um ídolo... como tal é um embuste... não é nem pop nem cultura.

Austin define o “pop” como sendo pertencente antes ao povo do que a uma elite qualquer. Admite que a cultura pop tem considerável apelo popular atualmente, mas diz que é de natureza sintética e industrial, que não deriva de um modo de vida natural ou orgânico, e por isso não é realmente popular. A “cultura” é difícil de definir, mas ela significa um modo de vida com valores compartilhados que tem os meios para expressá-la. A cultura, neste sentido, só pode crescer organicamente como uma árvore, com a velocidade natural que não pode ser forçada, e requer uma memória compartilhada com um sentido do passado, uma continuidade de significado, metas e padrões. Mas a “cultura pop” apaga o passado. Portanto, não é uma cultura verdadeira. A partir desta perspectiva, Austin recorda então as décadas de sua própria vida.

Nas de 50 e 60, ele lembra uma crescente alienação do passado pela qual a mídia de massa passou a desempenhar um papel crucial. Na década de 70 desabrochou uma contracultura de fragmentação e narcisismo, com mais entretenimento do que nunca, e com isso um crescente desapego da realidade. O meio em si estava tornando-se a mensagem, e a moralidade baseava-se na emoção subjetiva, que a mídia embalava como um produto com fins lucrativos. O entretenimento substituiu o pensamento e a análise. Na década de 80, a tentativa de restaurar valores passados falhou nos EUA, na Europa e na Rússia. Na década de 90, algumas falsas esperanças tiveram fim, mas a massa de consumidores estava mais fragmentada do que nunca. No entanto, na década de 2010 a Fé Católica dá a Austin alguma esperança. A verdadeira cultura depende de que os seres humanos sejam humanos, diz, e os humanos têm para si verdadeiros modelos: Nosso Senhor e Nossa Senhora. A verdadeira cultura será replantada, e a Luz retornará.

Austin está na pista do verdadeiro problema, mesmo que seu tratamento do problema e de sua solução seja relativamente raso, pois todo o ambiente atual, ou cultura, é perigosíssimo para as almas e sua salvação. Tornou-se totalmente normal crer ou não crer em Deus, ou se alguém crê n’Ele, não levá-Lo a sério. O passado tem pouco a dizer-nos (exceto com relação aos “seis milhões”). A imoralidade não tem importância. Não há algo como o respeito à ordem e à natureza. A tecnologia salva. A liberdade é tudo. E esta doença é altamente contagiosa, porque é muito “libertadora” para nós. Que o Céu nos ajude!


Kyrie eleison.

P.S.: Como um recurso menor para a cultura de elite do passado, no sentido verdadeiro da palavra, realizar-se-á em Broadstairs, da sexta-feira 23 de fevereiro ao domingo dia 25 do próximo ano, uma sessão de Mozart paralela à “Explosão de Beethoven” de dois anos atrás. Fornecer-se-ão os detalhes em breve.


*Traduzido por Cristoph Klug.

terça-feira, dezembro 12, 2017

Como você está gastando seu tempo digital?

0 comentários


Do livro "Limpe Sua Mente: Como Parar de se Preocupar, Aliviar a Ansiedade e os Pensamentos Negativos" de S.J. Scott, Barrie Davenport:

Como você está gastando seu tempo digital? Dê uma olhada realista em como você gasta seu tempo com seus dispositivos. Claro que existem atividades on-line necessárias para a sua vida pessoal e profissional. Mas, também, existem as horas que você passa conectado, apenas navegando na internet, jogando e verificando as mídias sociais.

Passe alguns minutos revendo seu dia e acrescente o tempo não essencial em que você ficou conectado. Melhor ainda, documente suas atividades digitais ao longo do dia. Você ficará surpreso com o tempo que dispensa às experiências virtuais. 

Toda esta absorção digital cria agitação e tem uma qualidade aditiva que o afasta das buscas mais significativas que o energizam ao invés de esgotá-lo. Onde e como você pode começar a cortar isso? Comece com uma hora por dia onde você fique livre de qualquer tempo digital. Desligue o computador e coloque o celular em uma gaveta. O que você pode fazer em vez de se envolver em distrações digitais? Sugerimos que você:

•Leia um livro
•Faça uma longa caminhada
•Exercite-se
•Converse com um amigo
•Passe tempo de qualidade com seu cônjuge e filhos
•Faça algo criativo, como escrever ou desenhar
•Aprenda uma nova habilidade
•Medite
•Ouça música
•Saia de bicicleta
•Termine um projeto

Faça algo que seja real, aqui e agora e positivo, para que você evite tanto o esgotamento da imersão digital quanto os sentimentos secundários de culpa e ansiedade que muitas vezes acompanham o excesso de tempo conectado.



domingo, dezembro 10, 2017

Comentarios Eleison: Milagres no NOM?

0 comentários
Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DXLIII (543) (9 de dezembro de 2017)


MILAGRES NO NOM?


Os pastores humanos podem abandonar as ovelhas,
Mas Deus não o faz – a menos que elas mesmas queiram dormir.

Quando estes "Comentários" afirmaram no ano passado que em Sokulka, na Polônia, houve em 2008 um milagre eucarístico numa hóstia consagrada em uma Missa Nova (NOM), alguns católicos no mundo de língua inglesa negaram que tal coisa fosse possível. Quando se fez mesma afirmação recentemente em Paris (https://youtu.be/IgQnQhxmhH4), foi a vez de alguns tradicionalistas franceses questionarem a evidência científica aparente do milagre fornecida de forma independente naquele momento por dois laboratórios poloneses, os quais afirmaram que a amostra da hóstia em questão que lhes foi entregue veio do músculo do coração de um ser humano padecente de agudo sofrimento.

Em face de tais evidências, são possíveis duas linhas opostas de argumento. Tanto se pode argumentar sobre o veneno modernista do NOM que há impossibilidade intrínseca de Deus operar tal "milagre" no âmbito do NOM, como se pode argumentar desde a seriedade da evidência pela necessidade da possibilidade de a Nova Missa, as novas ordenações sacerdotais e as novas consagrações episcopais serem válidas (já que o Padre e o Bispo envolvidos foram ordenado e consagrado em 2005 e 1980, respectivamente). Alguns valentes tradicionalistas disputam de modo veemente as três possibilidades dentro da Neoigreja modernista.

O que é certo, pelo menos dentro da Igreja Católica, é que tais questões devem ser decididas pela doutrina e não pela emoção. A razão deve prevalecer – um exemplo: pilotar por instinto pode ser fatal para os aviadores. O que a doutrina da Igreja diz sobre a validade de um sacramento é que esta requer quatro coisas: um Ministro válido, Forma, Matéria e Intenção sacramental. O NOM pode excluir um destes requisitos ou todos eles, mas não exclui automaticamente nenhum deles. Onde todos os quatro estão presentes, a Nova Missa é válida. É por isso que Dom Lefebvre, que conhecia sua teologia, nunca afirmou que o NOM era automaticamente inválido. É por isso que o NOM celebrado em Sokulka não foi necessariamente inválido. É por isso que parece mais razoável argumentar desde a evidência do milagre do que desde a impossibilidade do "milagre" pela falsidade da evidência. Caso contrário, é necessária uma razão precisa para questionar o testemunho preciso dos patologistas.

A grande objeção permanece: como o Deus Todo Poderoso pode fazer milagres no âmbito do NOM, claramente projetado por seus criadores para envenenar gradualmente a fé dos católicos e assim destruir a Igreja Católica? A resposta deve ser que Deus não está em princípio autenticando o NOM, mas mantendo sua possível validez para não abandonar tantas ovelhas católicas que ainda assistem a ele com relativa ignorância e inocência em relação ao veneno; e, portanto, Ele está basicamente alertando as ovelhas e os pastores, para que se lembrem de que Ele mesmo está presente sob as aparências do pão e do vinho.

Quando se tem em mente a doutrina católica pela qual o NOM pode ser válido; quando se traz à memória os dizeres de São Paulo dizer segundo os quais qualquer um que participe indignamente da Sagrada Eucaristia é "réu do Corpo e do Sangue do Senhor" (I Cor. XI, 27-39); e quando se vê quão generalizada na Neoigreja é a falta de respeito pela Presença Real, então, vemos imediatamente o quão necessária para a salvação de muitas almas pode ser uma advertência como o milagre em Sokulka. O pároco mesmo dá testemunho de como aumentou o nível de fé e da prática católica em toda o entorno daquela região.

Mas o objetor insiste: como poderia Deus permitir que um tal rito envenenado da Missa seja válido?
Resposta: Ele não tira o livre arbítrio dos homens, mas permite-nos em larga escala fazermos o que queremos. Neste caso, os neomodernistas queriam (e ainda querem) um Rito da Missa que seja envenenado o suficiente para matar a verdadeira Igreja em longo prazo, mas ainda católico o suficiente para enganar, no curto prazo, católicos ignorantes e inocentes que ainda confiam no que seus pastores dizem, como, por exemplo, que o NOM é o "rito Ordinário” da Igreja. O NOM nunca teria obtido aceitação na Igreja Universal se tivesse sido óbvio desde o início que era automaticamente inválido.
                                                                                                                                       
Kyrie eleison.


terça-feira, dezembro 05, 2017

Os benefícios do perdão

0 comentários


A Medicina e a Psicologia também mostram os benefícios do perdão. O texto abaixo foi extraído do livro de Amy Morin: 13 coisas que as pessoas mentalmente fortes não fazem. Editado pela Sextante, em 2015.

Quando você guarda rancor de alguém, a raiva e o ressentimento não surtem qualquer efeito sobre a vida do outro. Na verdade, ao cultivar esses sentimentos, você dá àquela pessoa ainda mais poder para interferir em sua qualidade de vida.

Escolher perdoar lhe permite tomar seu poder de volta, não apenas pelo bem de sua saúde psicológica, mas também por sua saúde física. Algum as pesquisas constataram os benefícios do perdão para a saúde:

• Perdoar reduz o estresse. No decorrer dos anos, muitos estudos mostraram que guardar rancor mantém  o corpo em  estado de estresse. Quando você pratica o perdão, sua pressão sanguínea e seus batimentos cardíacos diminuem.

• Escolher perdoar aumenta sua tolerância à dor. Em 2005, num estudo com pacientes que apresentavam dor crônica na coluna lombar, a raiva aumentou o desgaste psicológico e diminuiu a tolerância à dor. A disposição a perdoar foi associada a um aumento da resistência à dor.

• O perdão incondicional pode ajudar você a viver mais tempo. Um  estudo de 2012 publicado no Journal of Behavioral Medicine descobriu que quando as pessoas estavam  dispostas a perdoar apenas sob certas condições – se a outra pessoa se desculpasse ou prometesse nunca mais repetir o mesmo comportamento, por exemplo –, seu risco de morrer cedo na verdade aumentava. Você não tem  controle sobre o modo com o alguém se com porta. Esperar que um a pessoa lhe peça desculpa para poder perdoá-la dá a ela poder não apenas sobre sua vida, mas talvez até mesmo sobre sua morte.

segunda-feira, dezembro 04, 2017

Comentarios Eleison: Liberalismo = Religião

0 comentários
 Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DXLII (542) (2 de dezembro de 2017)

  
Liberalismo = Religião


"Deus ou Mamon – faça a sua escolha", Nosso Senhor alertou.
O Vaticano agora está doente, pois pelo segundo optou.


O liberalismo não é somente um pecado grave que vai de encontro à honra de Nosso Senhor Jesus Cristo, o liberalismo é também uma religião. Estamos morrendo de liberalismo e de suas consequências. Por dois séculos ele se espalhou por toda parte, pelas nossas escolas, pelas nossas sociedades. É um veneno que destrói os mandamentos de Deus e a tudo o que constitui a beleza e a grandeza de uma civilização cristã. Disse Leão XIII, em sua encíclica Humanum Genus, sobre os maçons: "Devemos rasgar a máscara deles e mostrar como são, para que nós os evitemos e aos seus erros". Creio que o liberalismo, que é um dos frutos da Maçonaria, também precisa ser desmascarado, até que se compreenda completamente o seu perigo.

O liberalismo tem sua deusa: a liberdade. Na época da Revolução Francesa, os liberais adoravam a deusa da Razão na Catedral de Notre Dame em Paris, isto é, a liberdade, a liberdade do homem, essa liberdade que tem a sua estátua na entrada do porto de Nova York, que eles celebraram de uma forma incrível há pouco tempo. O homem está livre, finalmente libertado de toda lei, mas principalmente da lei de Deus. A liberdade é a deusa da religião do liberalismo.

O liberalismo tem seu sacerdócio, na pessoa dos maçons, um sacerdócio secreto, organizado e extremamente eficiente. Existem milhares e milhares de maçons. A seita exclusivamente judaica B'nai B'rith sozinha, com seu acesso muito frequente aos clérigos em Roma, e que esteve presente no encontro em Assis, tem quinhentos mil membros em todo o mundo. O Grande Oriente também está espalhado.

O liberalismo tem seus dogmas: eles são a Declaração dos Direitos Humanos. Como os Papas ensinaram, esses direitos do liberalismo são instrumentos inventados pela Maçonaria para usar contra Deus, para libertar o homem de Deus. Daqui em diante, o homem é livre para pecar, desobedecer a Deus... a liberdade de imprensa... é apenas um dos tantos presumidos Direitos Humanos que foram condenados pelos Papas por um século e meio.

O liberalismo tem sua moral, que é simplesmente a imoralidade: nenhum freio para a liberdade. Durante vinte anos, os liberais conseguiram introduzir na legislação de quase todos os Estados todos os princípios que vão contra a moral católica, como o aborto, a união livre, etc. – viver em pecado é algo favorecido pelos sistemas fiscais.

O liberalismo tem sua política: nomeadamente, a democracia, a democracia dos números. São as pessoas que supostamente governam. Mas, na verdade, a "democracia" é sobre como subjugá-las melhor, como dominá-las, como despojá-las em benefício de um Estado onipotente, de um socialismo totalitário que gradualmente destrói o direito de propriedade, que faz o cidadão trabalhar durante um terço do ano para o Estado. Os cidadãos tornam-se escravos do Estado totalitário. Esta é a política do liberalismo, à qual chamam liberdade.

O liberalismo tem sua educação: a educação deve ser ateísta, laica e universal para todo o mundo. Na França, não foram os bispos que defenderam a liberdade de uma educação não governamental, mas as famílias. Se não houvesse dois milhões de pessoas que se deslocassem para Paris para derrotar a lei socialista sobre educação, haveria na França hoje apenas educação governamental, e a educação privada teria desaparecido.

O liberalismo tem sua economia, dirigida pelos grupos financeiros internacionais. Na medida em que os Estados aplicam uma moral liberal, uma economia liberal, uma educação liberal, leis liberais, seus governos são apoiados pelo Fundo Monetário Internacional, mesmo que tenham dívidas enormes. Por outro lado, os Estados que resistem ao liberalismo são financeiramente prejudicados e arruinados economicamente, sempre que possível. O próprio Vaticano foi arruinado pela Finança Internacional. Maçons infiltraram as finanças pontifícias e transferiram a fortuna do Vaticano para o Canadá, onde desapareceu. Imediatamente, os maçons e a Finança Internacional intervieram com a oferta de qualquer apoio financeiro que fosse necessário. Isso explica as pressões que são exercidas em Roma na nomeação de bispos ou cardeais, e em qualquer coisa que o Papa faça. Ele está praticamente a serviço do liberalismo maçônico. Nós temos que dizer as coisas como são.

Tudo isto foi dito por Dom Lefebvre (está aqui resumido) em Barcelona no ano de 1986. Seria necessário hoje mudar uma única palavra?


Kyrie eleison.

terça-feira, novembro 28, 2017

Saúde é importante

0 comentários



"São Francisco de Sales nos diz: 'Exorto-vos a que conserveis a vossa saúde, porque é essa a vontade de Deus; exorto-vos a que conserveis as vossas forças, para as empregardes na glória de Deus; é melhor ter forças de mais do que de menos, porque uma vez perdida é difícil recuperá-la. Dai, pois, ao vosso corpo a medida de alimentos e de bebida que convém à conservação das vossas forças e da vossa saúde.'" (Extraído de Direção Para Sossegar as Almas Timoratas, de Pe. Quadrupani. Pg 31-32, grifos meus.)

É importante sim buscar ter uma boa saúde. Só quem já viveu episódios de doença sabe o quanto é ruim ficar sem forças para trabalhar, para cuidar dos filhos... o quanto é ruim dar trabalho aos outros, ser um peso na vida de alguém, quando se poderia ter evitado tais episódios alimentando-se bem, sem abusar de coisas que não são saudáveis. 

Em vez de nos entupirmos com remédios (causas de muitas mortes no mundo inteiro), por que não buscar aprender sobre os alimentos, os nutrientes, e mudar ou melhorar o nosso estilo de vida para ter mais saúde e menos doenças?

Como diz o Dr. Rondó: "A prevenção é a melhor medicina".

Acredito ser importante buscar informações sobre saúde com gente séria. Deixo abaixo alguns links de sites e canais sobre o tema. Nada perfeito, porque perfeição neste mundo é coisa difícil, mas muito bom:








Comentários Eleison: Como discernir? - II

0 comentários
Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DXLI (541) (25 de novembro de 2017)



COMO DISCERNIR? – II


Como lutar contra um inimigo forte e perigoso?
Quando a primeira coisa que deveria saber sobre ele eu desconheço?

A primeira pergunta de Joseph foi sobre a confusão na Igreja em geral (ver os "Comentários" da semana passada); a segunda, por sua vez, refere-se à Fraternidade Sacerdotal São Pio X em particular. Ei-la:

O senhor escreveu na semana passada que, julgado por seus frutos, o Vaticano II não foi católico, enquanto Dom Lefebvre o foi. No entanto, na Fraternidade Sacerdotal São Pio X que ele fundou parece ter surgido uma nova maneira de pensar na qual se poderia articular em uma série de proposições. Por exemplo:

1 Mesmo que o Papa e os Bispos se comportem mal, eles ainda são as autoridades válidas da Igreja.

2 O Papa Francisco pode ser um modernista, mas ele ainda tem o poder de trazer a FSSPX de volta para a Igreja.

3 Os bispos conciliares não são todos maus. Eles podem ter reações cristãs, demonstrar que têm consciência da crise da Igreja, defender a moral católica em público, exigir o respeito a Deus na liturgia, mostrar devoção à Santíssima Virgem Maria, e assim por diante.

4 Pode-se prever um acordo com Roma desde que "nos aceitem como somos".

5 Somos culpáveis se recusamos sistematicamente qualquer acordo com Roma.

6 É mais útil falar da piedade de Dom Lefebvre do que da sua oposição ao Concílio.

7 É melhor estar em bons termos com a FSSPX do que em maus termos por causa de opiniões falíveis.

8 Os conciliaristas são indisciplinados e desobedientes. Os membros da FSSPX devem ser disciplinados e obedientes.

Concluindo, dada a complexidade da situação em que os católicos se encontram hoje, os membros ou seguidores da Fraternidade podem ser responsabilizados por pensar de acordo com essas proposições?

Resposta: tudo depende do quanto saibam esses membros ou seguidores. Por exemplo, os seguidores da FSSPX mais antigos sabiam que o Concílio era uma nova religião, e que, portanto, a oposição do Arcebispo era uma questão de fé, intrinsecamente mais importante do que a piedade, pois como pode haver piedade sem a fé? Os veteranos da Fraternidade têm muita culpa (a menos e até que finalmente reajam publicamente), porque eles estão permitindo que o que Joseph acima chama "uma nova maneira de pensar" tome a Fraternidade do Arcebispo, para que os jovens da Fraternidade tenham menos chance de entender o que há de errado com as oito proposições acima. Há uma nova geração de sacerdotes da Fraternidade tão piedosa como se poderia desejar, mas (sempre com exceções) que não tem ideia da crise que está agora devastando a Igreja há mais de meio século:

1 É verdade que o Papa e os bispos, de acordo com as aparências, parecem ser as autoridades válidas da Igreja, mas seu comportamento quanto à Fé é tão mau que muitos católicos sérios questionam essa validade.

2 Para qual Igreja o Papa trouxe a NeoFraternidade? Para a Neoigreja? “Eles me expulsaram da Neoigreja?”, dizia o Arcebispo “excomungado” – “E daí? Eu nunca pertenci a ela!”.

3 De fato, nem todos os bispos conciliares são maus, mas quase todos são modernistas, o que significa que muitos deles perderam sua fé católica sem sequer perceber. O homem moderno é tão corrupto que enquanto sua religião católica passou a corresponder à modernidade, ele nem percebeu que ela deixou de ser católica.

4 "Aceitar-nos como somos" foi para a FSSPX uma coisa em, digamos, 1987. É outra coisa completamente diferente em 2017!

5 Se Roma voltasse para a verdadeira Fé, não haveria mais necessidade de acordo.

6 Graças a Deus também pela piedade do Arcebispo, mas, de longe, sua qualidade mais importante era a sua fé.

7 "Opiniões falíveis"? Existe algo chamado verdade! Alguém que tenha alguma importância na Neofraternidade realmente estudou os documentos do Vaticano II? Eles negam que estes representam uma nova religião?

8 Os membros da FSSPX devem ser disciplinados e obedientes ao quê? À nova religião Conciliar centrada no homem?

O problema com todas essas proposições é que a FSSPX nasceu no meio da grande guerra que o mundo moderno tem feito contra Deus, mas desde a morte do Arcebispo em 1991 seus líderes perderam toda compreensão efetiva sobre quem está travando essa guerra , e como e por quê. Joseph, leia a "Pascendi", uma e outra vez, até que você a tenha compreendido completamente!


Kyrie eleison

segunda-feira, novembro 27, 2017

A Gruta do Petit Trianon

0 comentários


O trabalho na Gruta foi concluído em 1782, ao mesmo tempo que a Rocha e da vizinha 'Montanha Caracol'. Chegando da direção da Rocha, um caminho leva para baixo e chega em um pequeno vale através do qual flui um rio. O caminho segue a curva do fluxo para revelar um grupo de rochas a partir das quais a água parece surgir. Uma entrada, originalmente protegida por uma treliça de madeira, conduz à gruta. 

Abrigada nas sombras, a caverna é iluminada apenas vagamente por aberturas esculpidas nos recantos e caminhos da rocha. Um banco (uma vez coberto por um cobertor verde destinado a imitar a aparência de musgo) que parece ter sido cortado da rocha é o único lugar disponível. Escondido em um canto, uma cachoeira cai pela face da rocha e flui para dentro do córrego. Na extremidade da gruta, uma escada leva para cima a uma entrada escondida no pico do afloramento artificial. Esta porta secreta permitiu que os ocupantes da gruta se afastassem de quaisquer intrusos indesejados que seguissem pelo caminho do vale. A Rainha pagaria muito por essa característica brincalhona, já que os rumores maliciosos sobre o verdadeiro propósito de tais passagens secretas começaram a circular. Em 1789, uma multidão de visitantes curiosos reuniu-se para admirar o que era apenas uma loucura pitoresca encontrada em muitos jardins desta época. 

No final do século XX, esta seção dos jardins quase perdera completamente sua forma, e uma completa campanha de restauração foi concluída em 2006. Entre outras coisas, esta restauração restabeleceu a cachoeira artificial dentro da gruta e atualizou o paisagismo da vale como um todo.


Original aqui.

domingo, novembro 26, 2017

Aos tradicionalistas - Por Pe. René Trincado (SSAJM)

0 comentários

Parte do sermão do Pe. René Trincado, o qual pode ser lida na integra AQUI

Permitam-me aqui um parêntesis. Cuidado com o qualificativo de “modernistas”. Não olhemos com desdém ao restante dos católicos, aos que chamamos secamente de modernistas, pois, em sua imensa maioria, são vítimas dos salteadores que os despojam da verdadeira fé. Cuidado, porque esses, muitas vezes, muitíssimas, são isso: vítimas, não vitimadores. Não são os assaltantes da parábola, senão o homem assaltado. Pensemos, por exemplo, no imenso bem espiritual que, em sua grande simplicidade, com suas fervorosas orações fazem essas anciãs “modernistas”, verdadeiras devotas do Rosário, assíduas nas paróquias; pensemos nessas monjas “modernistas” de clausura que, apesar da Missa Nova e das más pregações, vivem inteiramente crucificadas por causa de sua caridade ardentíssima.

Pensemos nesses sacerdotes e leigos que se esforçam sinceramente para alcançar a santidade, apesar de ter de respirar cada dia a fumaça liberal que entrou no templo através do buraco escavado desde dentro por uma hierarquia de traidores. Cuidado com o desprezo pelo próximo: não nos vá a suceder que estejamos fazendo às vezes a oração do fariseu: graças te dou, Senhor, porque não sou como os demais homens, nem como esses estúpidos e ignorantes modernistas das paróquias. Cuidado: pior que ser herege material modernista é ser um orgulhoso tradicionalista, porque Deus resiste aos soberbos e dá sua graça aos humildes (1Pd V, 5). 

Cuidado com a soberba. O orgulho farisaico é a grande tentação dos tradicionalistas. Os fariseus foram os descendentes dos assideus, esses mártires e heróis tradicionalistas que combateram às ordens dos Macabeus. Cuidado com a soberba. A esses que parecem viver de diatribes e discussões, teríamos de lhes perguntar o que é mais importante: se ter razão ou ter caridade. Se os tradicionalistas temos a verdade, é por um presente, uma graça de Deus. Mas a luz da fé verdadeira é para iluminar os homens em ordem à salvação eterna, não para querer deslumbrá-los fazendo gabo de conhecimentos, nem para esmagá-los.

Estimados fiéis: Deus nos faça caridosos e humildes. Certamente, os tradicionalistas devemos ser o bom samaritano especialmente para com todas as pobres ovelhas assaltadas e feridas por esses ministros do diabo que lhes dão a beber o veneno liberal e modernista. Estes últimos se comportam como os ladrões da parábola, de modo muito mais criminoso que o Sacerdote e o levita, que pecaram somente por omissão. Estes ladrões são a Hierarquia liberal que objetivamente despoja e assassina às almas desde essa verdadeira emboscada que foi o Vaticano II. Com estes envenenadores de almas não cabe buscar cooperação nem concórdia alguma, nem menos aceitar a possibilidade de se submeter um dia ao seu poder destruidor. Se o samaritano houvesse pretendido pôr-se às ordens dos ladrões, não teria feito com isso um ato de caridade, senão a maior insensatez imaginável.E teria terminado roubando o assaltado e o deixado mais ferido também. A primeira caridade é a verdade. No caso dos tradicionalistas, a primeira caridade está em conversar a salvo o alimento saudável das almas, o tesouro divino da fé católica, a Verdade, essa Verdade que um dia voltará a resplandecer na Igreja porque as portas do inferno não prevalecerão (Mt XVI, 18).

Que pela intercessão da Santíssima Virgem, Deus nos conceda a humilde caridade fraterna.

Fonte:Apostolado da Oração Tradicional

quinta-feira, novembro 23, 2017

Espiritismo e Protestantismo

0 comentários


Rousseau, Pestalozzi e Kardec: mesmas ideias


Apesar de o espiritismo buscar uma explicação do "karma" inspirada num "libertarismo" da agência (nossos reveses seriam consequência de "nossas" escolhas, mesmo que o ignoremos) e, de fato, incorrer no erro oposto do pelagianismo, não consegue evitar a queda num fatalismo muito semelhante ao luterano/calvinista (as nossas condições dependeriam das nossas escolhas, que por sua vez dependeriam do nosso grau de "evolução espiritual") - que isso seja, claro, de uma incoerência patente não vem propriamente ao caso.

Além do mais, os indícios de "evolução" são bastante aparentados aos "sinais de eleição" ou de "condenação" do calvinismo e a explicação espírita dos gozos e sofrimentos é bastante próxima à doutrina protestante sobre os galardões (levando em ambos os casos a uma valorização "ética" do sucesso material). Em todo caso, a mesma admissão de uma ordem causal férrea, similar à do moderno determinismo "científico", encontra-se nas seitas calvinistas e espíritas. Isso para não falar do individualismo, da rejeição à hierarquia, do minimalismo cultual, da secularização dos costumes, das táticas de propaganda etc. Não por acaso, Rivail/Kardec teve sua formação no ambiente protestante e liberal do Instituto Pestalozzi, e o espiritismo se espalhou, sobretudo na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, através de seitas muito semelhantes às "evangélicas" e àquelas como o unitarismo, a "ciência cristã", o "exército da salvação" etc., que começaram a pulular pelo século XIX.

Há ainda muitos autores que associam correntes protestantes ao gnosticismo, e o teólogo presbiteriano Philip J. Lee admite mesmo um forte pendor gnóstico intrínseco ao protestantismo (que ele considera "contido" por certas admissões de Lutero e Calvino relativas à continuidade histórica da Igreja e à aceitação - à sua maneira - da Tradição, mas que são totalmente abandonadas pelas variantes mais modernas) - há ainda toda a controvérsia sobre a influência de movimentos esotéricos (que fervilhavam no Renascimento) na própria fundação do protestantismo, as relações entre o luteranismo e a Rosa-Cruz, as influências recíprocas entre protestantismo e maçonaria etc. Em "místicos" protestantes como Böhme e Swedenborg, esses elementos são bastante evidentes. A própria ideia de reencarnação adotada por kardecistas e teosofistas surgiu no entrecruzamento entre a "teologia" liberal protestante e a maçonaria na Alemanha do século XVIII, em especial com Lessing.

terça-feira, novembro 21, 2017

Comentários Eleison: Como discernir? - I

0 comentários
Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DXL (540) (18 de novembro de 2017)


COMO DISCERNIR? – I


Quando é boa a intenção dos homens, como distinguir o bom do mau?
Observando onde há realmente bons frutos.


Um jovem com uma boa mente está fazendo uma boa pergunta sobre a crise na Igreja e outra boa pergunta sobre a crise na Fraternidade Sacerdotal São Pio X. Veja como Joseph aborda sua primeira questão:

Por um lado, a crise conciliar foi uma em uma série de crises que afligem a Igreja, como o Protestantismo, o Liberalismo e as Revoluções, com duas Guerras Mundiais, e, portanto, uns erros fizeram o caminho no Concílio, os quais foram claramente condenados pela Igreja antes do Vaticano II. E após o Concílio, as novidades foram aplaudidas pelos inimigos clássicos da Igreja, como os maçons e os socialistas, enquanto o espírito missionário da Igreja praticamente se extinguiu. Por outro lado, as ideias do Concílio são obra dos mais inteligentes e supostamente católicos homens da Igreja, e não se pode dizer o tempo todo que o Papa não é Papa, nem que a maioria dos Bispos seja consagrada invalidamente. Portanto, pode-se dizer que a crise conciliar envolve áreas de sombra que ainda dificultam a visão clara? E se não podemos chegar a conclusões definitivas, podemos ter a certeza de que estamos mantendo a verdadeira Fé?

A melhor resposta vem do próprio Senhor, falando no Sermão da Montanha (Mt VII, 15-20): – “Pelos frutos, os conhecereis”. Obviamente, Nosso Senhor sabia que haveria ataques constantes à Sua Igreja com repetidas tentativas do Diabo para semear confusão nas mentes de Seus seguidores. A confusão que se seguiu ao Vaticano II não é diferente em espécie de crises anteriores na História da Igreja, mas pela defecção dos clérigos no Vaticano II, a confusão hoje é sem precedentes em grau – nunca antes a massa de pastores católicos esteve tão perdida, nem, portanto, o rebanho católico.

No entanto, para encontrar o caminho para longe da confusão, o mesmo princípio infalível ainda se aplica: as ações falam mais alto do que as palavras, e os frutos das ações do homem são o guia mais seguro para quem ele é e o que ele realmente pretende. Especialmente no caso do modernismo um homem pode enganar-se quanto ao que ele quer ou pretende, porque ninguém está tão profundamente separado da realidade que um modernista. “O fim do mundo será caracterizado por homens fazendo o mal pensando que estão fazendo o bem”, disse o Padre Faber em meados do século XIX. No século XXI, estamos no final mau deste processo de séculos de humanidade enganando-se a si mesma, já que ela se afastou de Deus. Então, Deus estaria deixando Seu rebanho indefeso contra inusitados lobos em pele de ovelha como são os modernistas? Não, porque julgar pelos frutos é algo que qualquer um pode fazer, com um mínimo de senso comum e vontade reta.

Portanto, Joseph, você observa que as autoridades da Igreja de hoje são homens altamente inteligentes e supostamente católicos, e você assume razoavelmente que são as autoridades válidas da Igreja, porque mesmo se você sabe que seus frutos são tão pouco católicos, a ponto de fazerem com que muitos discutam essa validade, não obstante quem mais está ali que esteja autorizado a falar e a agir pela Igreja Universal? Mas, ao mesmo tempo, você observa que suas ideias estão em consonância com graves erros anticatólicos do passado, e que agora são aplaudidos por inimigos clássicos da Igreja, como os maçons. Argumentos de um lado e de outro. Dúvidas e sombras. Como você resolve a confusão?

Resposta: por sua própria observação de que o espírito missionário desapareceu da Igreja desde o Vaticano II. Aqui estão os frutos. O Concílio pregou o ecumenismo (Unitatis Redintegratio), a liberdade religiosa (Dignitatis Humanae) e a relativa aceitabilidade de falsas religiões como o Hinduísmo, o Islamismo e o Judaísmo (Nostra Aetate) – como o espírito missionário poderia não colapsar após o Concílio? E também não esvaziaram e fecharam inúmeros mosteiros, seminários, conventos, dioceses e paróquias desde o Vaticano II? Foram abertos novos em algum lugar? Sim, em todo o mundo sob a liderança do único Bispo católico que desde o princípio repudiou abertamente o Concílio e todas as suas obras, Dom Lefebvre. Aqui estavam os mesmos bons frutos dos mesmos princípios católicos, aplicados fielmente em desafio ao Vaticano II. Joseph, você não precisa procurar mais nada.
                                                                                                                                      
Kyrie eleison.

Traduzido por Cristoph Klug.

segunda-feira, novembro 20, 2017

O Belvedere

0 comentários


O Belvedere também foi projetado por Richard Mique, e completado em 1781. Esta loucura é colocada no alto do montículo pequeno que tem vista para o lago.

É um pavilhão octogonal coroado com uma cúpula de baixo perfil em grande parte escondida pela balaustrada circundante. Acima das quatro janelas estão esculturas de baixo relevo representando as quatro estações. Quatro portas de pátio abrem para o interior, cujas paredes são adornadas com pinturas murais notáveis de Sébastien-François Le Riche. O teto, que mostra os querubins que brincam em um céu azul claro, foi pintado por Lagrenée, enquanto o chão é pavimentado com um mosaico de mármore. 

A rainha usou o Belvedere como um salão no verão, com suas muitas portas e janelas permitindo que a luz inundasse e criando a impressão de uma sala de estar ao ar livre.

Original aqui.

domingo, novembro 19, 2017

Pedido de ajuda – Demande d’aide – Request for help – Pedido de ayuda

0 comentários
PAX

​Caros amigos e benfeitores,
Chegando o fim do ano, nossas despesas aumentam consideravelmente e, neste momento, estamos com dificuldades, principalmente para pagar nossos funcionários, cuja primeira parcela do décimo terceiro salário deve ser paga já no meio deste mês​.
Assim, gostaríamos de poder contar mais uma vez com sua caridade para que possamos cobrir essas despesas.
Asseguramo-los de nossas orações quotidianas, pelos senhores e, neste mês, especialmente por todos os seus falecidos.
Em Jesus, Maria e José,
Dom Tomás de Aquino, por seu secretário Renato Müller

quarta-feira, novembro 15, 2017

Espiritismo: profundamente irracional

0 comentários



E ainda há quem acredite nisso!
O espiritismo não é só uma doutrina profundamente irracional, que esconde sob um véu de pretenso racionalismo os mais grosseiros paralogismos e grotescas formulações conceituais: a ideia de uma "punição" por crimes que se desconhece terem sido cometidos; a arbitrariedade da própria existência de "estados menos evoluídos" quando todos estão destinados à mesma "perfeição"; uma noção de "espírito" herdada do dualismo cartesiano que procura um "nexo" com o mundo corpóreo na bizarra noção de "perispírito"; a confusão entre o "espiritual" e o "sutil"; uma concepção de "realidades espirituais" completamente materializada e inspirada em fantasias de "utopia" burocrática de péssimo gosto; a própria ideia de uma continuidade pessoal com "reinicialização" periódica etc.
O espiritismo não é só uma doutrina inspirada no pior das modas intelectuais e da pseudociência oitocentistas: de uma forma especialmente tosca de positivismo ao mesmerismo, do progressismo "evolucionista" ao curandeirismo dos "fluidos" e ao racismo "científico".
O espiritismo não é somente um discurso que se ampara em ridículas falsificações históricas ("a Igreja já ensinou a reencarnação", "as traduções da Bíblia disfarçaram o conteúdo reencarnacionista" - além das inúmeras "gafes" históricas das "psicografrias" de um Chico Xavier, que chegam a confundir personagens homônimos distantes vários séculos um do outro) e em simulações de quinta categoria do estilo de grandes escritores etc.
O espiritismo não é só marcado por fraudes evidentes em toda a sua história: do logro das irmãs Fox (depois reconhecido pelas próprias) às farsas desmontadas por Houdini e a diversos casos relacionados a Chico Xavier e seus associados (alguns dos quais chegaram aos tribunais), e em especial o seu sobrinho, Amauri Pena.
O espiritismo não apenas eleva a "grande dignidade" um tipo de prática (necromancia) que as mais diversas tradições religiosas não hesitaram em condenar, em uníssono, como uma espécie de "fundo do poço" espiritual.
O espiritismo não apenas se baseia em "testemunhos" que, no dizer dos próprios "codificadores", são passíveis de falha, e discrimina entre os "bons" e "maus" espíritos com base numa ostentação de "nobreza de modos".
O espiritismo não apenas destrói qualquer resíduo de senso estético e de aparência de piedade devocional ao apelar, na sua "fenomenologia", para um verdadeiro teatro de horrores - simulados ou autênticos (isto é, com origem espiritual - o que não implica que sejam causados por "almas desencarnadas") - como "incorporações", "materializações", "mesas dançantes" etc.
O espiritismo não apenas situa seus praticantes no limiar da doença mental, ao expô-los continuamente a tais mórbidos espetáculos e submetê-los a experiências de desintegração da personalidade e ambientes de fortíssimas condições de sugestionamento.
O espiritismo não apenas explora a credulidade e os sentimentos de saudade e luto que unem as pessoas a seus parentes e amigos falecidos, ofendendo ainda a própria memória dos mortos.
O espiritismo não apenas seduz com um discurso calculadamente enganador, que afeta respeito e reverência pelas figuras de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Virgem Santíssima e outros santos de Deus (que não raro têm seus nomes associados aos "centros"), as pessoas provenientes de lares católicos - ao mesmo tempo em que os descaracteriza e ataca virulentamente a Igreja, seus dogmas e sua hierarquia.
O espiritismo não é somente algo estimulado e promovido por organizações comprometidas com um projeto de destruição da "religião organizada", das estruturas familiares e dos valores vitais da sociedade - tais como a maçonaria e a Rede Globo -, sendo a "espiritualidade" preferida por nove entre dez das celebridades do "show business" que ostentam um estilo de vida dissoluto e fútil.
O espiritismo é, antes de mais nada, uma distorção brutal (sendo, no fundo, uma espécie de gnosticismo exotérico) dos princípios cristãos, pervertendo a caridade em condescendência para com o "menos evoluído"; estimulando o indiferentismo religioso e a presunção soberba da salvação por mérito próprio; reduzindo Cristo a "mestre moral" e "espírito de luz", e diluindo até frações homeopáticas a mensagem do Evangelho; promovendo o mais crasso laxismo moral, sobretudo por meio de uma ética do "sucesso", do progressismo e do orgulho burguês, além do endosso à aversão (que se encontra na própria raiz da "cultura do descarte") a escolhas e compromissos definitivos.
Não pode restar dúvida de que o extravagante acolhimento dado a esse fenômeno em terras brasileiras está na raiz de muitos dos males de que a nação hoje padece.